Descubra as 6 Metas de Segurança da OMS

Meta 1 - Identificação do doente

Ter a certeza de que o cuidado de saúde está a ser prestado à pessoa certa é simples? Não, não é assim tão simples. Uma pessoa pode ser muito parecida com a que está na cama ao lado, e por coincidência ter o mesmo nome e apelido.  O protocolo para verificar a identidade do doente pode ser feito com o próprio ou com a pulseira de identificação. Duas informações devem ser confirmadas: o nome completo e a data de nascimento. Este procedimento deve ser repetindo a cada nova aplicação de medicamentos, exames, entre outros.

Meta 2 – Comunicação eficaz

Alguma vez brincou ao telefone sem fios? A comunicação dentro de um hospital não pode ser como nesta brincadeira e todas informações devem ser escritas e lidas a cada passagem de plantão ou entre setores.

Meta 3 – Melhorar a segurança dos medicamentos de alta vigilância

Utiliza medicação regularmente? Irá tomar algum medicamento durante o seu internamento? Algum será interrompido? O seu anticoagulante ou o
seu remédio para tensão?! Pois é! A receita dos seus medicamentos (chamada prescrição), durante o seu internamento é como uma orquestra. A coordenação de todos os medicamentos durante o período de internamento deve ser realizada pelo seu médico e deve entender o que lhe é administrado. A intenção deste protocolo diz respeito a alguns medicamentos “de alta vigilância”, ou seja, medicamentos que, se não forem administrados corretamente, podem originar graves problemas para a saúde do utente.

Meta 4 - Cirurgia Segura

Quando voa de avião existe uma verificação de instrumentos e de rota. Se não
acontecer, o avião não decola. Com a cirurgia deve ser assim também! Toda cirurgia deve passar uma “checklist” que visa identificar o procedimento correto, o paciente certo, se todos equipamentos estão a funcionar, e de que lado deve ser realizado o procedimento (o lado deve ser pintado ainda com o paciente acordado).

Meta 5 – Redução do risco de infeção associado aos cuidados de saúde

Quando vai visitar um recém-nascido, você não higieniza as mãos com álcool? Com uma pessoa em recuperação deve ser igual. Uma das complicações mais comuns em centros de saúde é o aparecimento de infeções. Uma infeção pode ser causada pelo próprio cuidado aplicado a feridas operatórias, o manuseamento de sondas, drenos, entre outros. Uma forma simples de prevenir tais infeções é a higienização das mãos, usualmente com uma solução à base de álcool.

Meta 6 – Prevenção de danos físicos devido a quedas

Durante o internamento as pessoas estão num estado mais frágil. Podem ter tonturas, estar acamadas devido a transtornos ou perda de movimento, correndo o risco de sofrer quedas. Para um melhor cuidado, os pacientes devem ser identificados e avaliados de acordo com a tendência para as quedas, de forma a ser fornecida orientações e cuidados para prevenção destas. No Brasil, o Ministério da Saúde dirige-se ao cuidado do doente para que não hajam feridas, as chamadas escaras (úlceras de pressão), avaliando a mudança de posição com intervalos regulares, com o apoio de uma equipa de cuidado.